Voltando para casa

Retratos - João Gonçalves dos Santos

Foi morador do hospital CHPB/FHEMIG durante 30 anos, perdendo completamente todos os vínculos familiares, sem sequer se lembrar do nome de qualquer parente.

A experiência de abandono e maus tratos vividos no hospital durante esse longo tempo, no entanto, não consegue apagar dos olhos de João a centelha de curiosidade e nem lhe tirou do rosto o sorriso de menino que exibe ao ostentar sua gravata borboleta de garçom.

Morando em Residência Terapêutica desde janeiro de 2004, João sempre se mostrou uma pessoa interessada em aprender novas atividades e mostra particular interesse em aprender o ofício de garçom, servindo as mesas e as pessoas em todas as festas das quais participava. O desejo de João passa a mobilizar companheiros da residência e também os profissionais que o acompanham. Dessa forma é que vão a busca de parcerias e chegam ao curso de formação de garçons oferecido pelo Hotel Senac/Grogotó de Barbacena.

Conhecer o hotel, as salas de aula e as atividades práticas do curso faz aumentar ainda mais o desejo de se profissionalizar, desejo que, no entanto, esbarra nas dificuldades da falta de instrução básica.

Voltando para casa

Como resolver esse problema se ele nem mesmo assina seu nome? João freqüentou curso de alfabetização, mas muito pouco consegue absorver. Porém, segue insistindo e perguntando quando faria o curso, sem se convencer com as explicações e justificativas oferecidas. Diante desse fato algo deveria ser feito.

Durante as reuniões da equipe técnica surge a idéia de se montar um curso, onde seria pago um instrutor e o material necessário comprado. A equipe parte em busca de parceiros para concretizar essa idéia.

Neste processo, entra em cena a campanha da fraternidade de 2006 sobre inclusão. A equipe consegue, então, uma verba com a arquidiocese do município para o tão sonhado curso. E diante da insistência do João e da boa vontade do instrutor, o Hotel Senac/Grogotó reavalia suas possibilidades e monta o "Primeiro curso de qualificação para garçom", um projeto piloto com os usuários da Saúde Mental.

Durante cinco meses, João e seus companheiros aprenderam etiqueta, técnicas, posturas, entre tantas outras coisas. A felicidade era imensa e se refletia no seu dia a dia. A roupa de garçom, a gravata borboleta e o crachá eram cuidados com esmero, até chegar à formatura e receber o diploma.

Mas isto não bastava, era preciso trabalhar. E novamente vem o João persistente e seguro do que quer. Começa a fazer pequenos "bicos", continua servindo nas festas que freqüentava e atinge seu auge ao dividir com outros dois companheiros, a responsabilidade de ser garçom oficial das mesas redondas durante o II Festival da Loucura realizado em Barbacena em abril de 2007.