Mostra virtual CCMS

Sociedade Viva

Violência e Saúde

Imprimir

Projeto Quatro Varas

Consolidação de uma comunidade

A Comunidade Quatro Varas recebe a visita dos índios Tremembé para três dias de discussões sobre terapias comunitárias e reflexões sobre suas respectivas comunidades. Esses índios ensinam que: "uma aranha sem teia é como um índio sem terra, e como uma comunidade sem a teia da solidariedade". Isso explica porque a Comunidade Quatro Varas faz da teia da aranha seu símbolo maior.

Nesta ilustração em cores, um grupo de pessoas reúne-se lado a lado, formando um círculo. Percebe-se que alguns homens estão sem camisa e usam adereços na cabeça, braços e cintura. As mulheres usam vestido e todos estão descalços. Ao fundo, percebem-se casas simples, pequenas árvores e um tipo de moinho.
O desenho mostra um senhor sentado em frente a uma casa simples e um pouco desgastada. Ele fuma um cachimbo e gesticula com o dedo em riste, direcionando-o a alguns meninos próximos a ele. Ao fundo, há mais crianças pela rua sem asfalto, e outra singela casa à direita.

Esse contato com os índios dá ensejo à construção da Casa do Acolhimento, espaço reservado para hospedar as pessoas de passagem ou em visita à comunidade, e para abrigar os habitantes da favela que, em situação de crise, necessitam de uma atenção especial.

Neste desenho em cores, no canto superior direito, dois homens e duas mulheres encontram-se em destaque. Logo abaixo, mais um grupo está em pé e as pessoas estão abraçadas lado a lado. Logo em seguida, já no centro da imagem, nota-se um ônibus em movimento e, à direita, uma casa comprida ladeada por palmeiras.

Na fase de consolidação, a comunidade se volta para o resgate da memória de seus habitantes. O encontro de gerações é uma forma de buscar os vínculos com o passado. Além disso, com o objetivo de conhecer a sua história, pessoas da comunidade realizam longas viagens pelo sertão e visitam, inclusive, a terra do Padre Cícero, que chega a receber cerca de um milhão de peregrinos por ano.

Este desenho é formado por uma pluralidade de cenas. À esquerda, notam-se pessoas de mãos dadas, dispostas em círculo, barracas de feira e a grande estátua de Padre Cícero, adorada por alguns fiéis aos pés da imagem. Na fração direita do desenho, vê-se uma igreja histórica de 1908, ocupada por pequena aglomeração de pessoas com os braços erguidos.
Ocupando toda a extensão do desenho, nota-se uma grande construção branca, com cercas nas duas laterais. Um elemento em destaque é o sol amarelo que toma por completo o fundo da imagem. A frente é composta por palmeiras e um pequeno tipo de moinho, além de uma pessoa que caminha em direção à casa.
Este desenho em cores mostra cenários de uma comunidade. À esquerda, uma casa tem a fachada informando “Direitos Humanos”, a casa ao lado expõe “Posto de Saúde”. Notam-se ainda pessoas sentadas lado a lado, dispostas em círculo, outras trabalhando com artesanato, irrigação de plantas, além de crianças brincando. Notam-se também, construções tipicamente indígenas, com telhado de palha.